Gerente de projetos, 42 anos, sexo masculino

Motivação para o trabalho


Sou gerente numa multinacional americana. Sentia-me desmotivado. Trabalhando há mais de 20 anos nessa empresa, não via mais perspectivas profissionais, e pensava até em pedir demissão, pois ninguém me valorizava mesmo, achava que não era importante para a empresa. Meu casamento também estava mal, o relacionamento com meu filho idem, e os meus pais... eu nunca fui o filho preferido mesmo!!! Fui orientado a fazer um processo de Coaching com a Cristina.

No primeiro encontro foi um muro de lamentações e perguntei se o meu caso tinha solução. Ela disse que preferia iniciar o processo com uma avaliação psicológica para que focasse mais rapidamente os pontos de melhorias e agilizasse o processo já que eu estava muito ansioso e estava prestes a jogar tudo para o alto, tal era o meu desespero. Fiz os testes e o resultado foi muito interessante. Tudo o que sempre senti e nunca tive coragem de compartilhar com alguém se manifestou no resultado.

Ela mesma me questionou se tudo aquilo que ela levantou e diagnosticou era verdade, porque tudo era muito forte. Quando eu me sentia acuado ou contrariado, me fechava como numa bolha e me isolava do mundo... e nesse momento não conseguia discernir entre o bom e o mal, as vantagens e desvantagens que teria com aquela atitude, e logicamente só tinha desvantagens. Não foi fácil me defrontar com o meu lado sombra tão nitidamente.


Iniciamos o processo do Coaching com atividades para fazer de uma semana para outra que como ela mesmo me dizia, despertava a consciência. De modo intercalado, ela me atendeu em 3 sessões de hipnose. Não cheguei a 8 encontros.


Tudo mudou. Fui promovido indo assumir uma nova gerência em outra unidade numa área que eu achava que não teria mais chance. Os conflitos com a minha esposa diminuíram muito, o relacionamento com meu filho melhorou e de grande valor, a descoberta do amor dos meus pais por mim. Cristina me orientou, dentro do processo de Coaching a ler um livro, a “Arte de Saber Parar”. Foi muito bom.

As vezes temos que saber parar mesmo para conseguirmos ver novas possibilidades!! Obrigada!

(engenheiro, gerente de projetos, 42 anos, sexo masculino)